Sejamos Curiosos: Alguns Mitos e Verdades sobre o Plástico

Será que virou moda a “guerra” contra o plástico? Será que há motivos e razões para este assunto estar cada vez mais presente nas preocupações dos ambientalistas e dos cidadãos que se questionam sobre isso?

Neste artigo, gostaríamos de partilhar alguns mitos e verdades sobre o plástico. O que aqui será escrito resulta da pesquisa de um cidadão comum que procura saber mais, dum cidadão comum que se questiona sobre o”plástico como problema ambiental”, e que ao descobrir apenas pretende alertar outros sobre o que encontrou e aprendeu.

Sejamos mais curiosos para questionar e aprender!

Não sabemos tudo, nem nunca o saberemos, mas se formos curiosos podemos aprender e saber mais. Não precisamos de “curso”, nem tão pouco uma “licenciatura” de Ambiente, podemos aprender pesquisando, aprender partilhando com os outros que também “vasculham”, questionando quem entre nós está mais dentro desta ou daquela temática.

Comecem por questionar tudo o que aqui será dito, e procurem a vossa verdade. Tudo o que aqui será dito, pode e deve ser questionado. Podem comentar, acrescentar, desafiar, colocar duvidas, perguntas.

Se não soubermos responder, teremos toda a humildade de afirmar que não sabemos, mas também de dizermos vamos procurar saber mais. E aí sim, como seria perfeito, pois estaríamos a aprender em conjunto, em vez de apontarmos dedos e de nos criticarmos na nossa ignorância ambiental, que no fundo não é individual, mas colectiva, somos todos “ignorantes ambientais” de uma ou outra forma, ou será que não?

Estamos todos no mesmo barco, portanto que tal começarmos a vermos mais isso?

E não nos digam que não podemos ser todos mais curiosos, porque podemos sim. Hoje a informação e os outros estão à distância de um dedo, de um clique, querer é poder.

Mitos e Verdades sobre o Plástico

1. O Plástico é Biodegradável?

Na verdade podemos passar horas a queimar as pestanas e vamos encontrar sempre opiniões diversas, vindas de diferentes fontes, uns dizem que sim, outros dizem que não, mas onde pára a verdade?

Ora bem, este é o maior mito, a chamada “publicidade enganosa” em que muitas industrias tentam convencer o consumidor de que oferecem produtos “verdes” e amigos do ambiente. Vamos falar de sacos plásticos oxi-biodegradáveis? O que a maioria dos supermercados talvez não saibam é que também estão a ser alvo de “publicidade enganosa”, pois “biodegradável” é uma casca de banana, ou será que não?

Percebendo melhor os conceitos Biodegradável e Oxi-Biodegradável

Biodegradável – É decomposto pela ação de organismos vivos. O uso do termo geralmente pressupõe que os resíduos da decomposição não são tóxicos nem sofrerão bioacumulação. A maior parte do lixo de origem orgânica (papéis, tecidos de algodão, couro, madeira etc.) é biodegradável, e a maioria dos plásticos atuais não. (Dicionário Brasileiro de Ciências Ambientais)”

Plástico oxibiodegradável ( o utilizado na maior parte dos sacos distribuídos pelos supermercados)– É aquele que recebe um aditivo para acelerar seu processo de degradação, mas não se decompõe em até seis meses. Não atende as normas técnicas nacionais e internacionais sobre biodegradação. Portanto, não é biodegradável. Este plástico, apenas divide-se em milhares de pedacinhos. No fim do processo não desaparece, mas vira um pó que pode parar em rios, lagos e mares. Isso significa que nossa geração poderá beber involuntariamente plástico oxidegradável misturado à água! E mais: os fragmentos podem ser ingeridos por animais silvestres e animais de criações nas fazendas, causando sérios danos econômicos e ambientais. (Plastivida)”

Fonte do texto: http://www.recicloteca.org.br/consumo/conceitos-biodegradavel-e-oxibiodegradavel/

2. Plástico é Tóxico?

Sim todo o plástico é tóxico, mas uns mais do que outros.

Precisamos reconhecer que há vários tipos de plásticos, da mesma forma que há vários tipos de papel, só que  a família dos plásticos é bem mais extensa e complexa, e divide-se em duas: a família dos recicláveis, os termoplásticos, e a família dos não recicláveis, os termorígidos, família bem mais numerosa.

Dos que manuseamos no nosso dia-à dia,  apenas 7 podem ser reciclados, e dentro destes existem uns que são mais tóxicos que outros. O que poucos de nós consumidores sabemos é quais são,  o que significam estes símbolos e porque os devemos evitar, não só pela saúde do ambiente, mas também pela nossa saúde.

Que tal começarmos todos a ser mais curiosos e a olhar mais para os símbolos dos plásticos que manuseamos no dia-à dia? Desafio para a próxima ida às compras: Procurem o triângulo com um número dentro nos produtos de plásticos e decidam se os querem realmente levar para casa.

Pelo conhecimento talvez possamos começar por recusar pelo menos os mais “tóxicos”. A tabela abaixo já nos dá uma ideia.

1013151_155989094593114_1924020713_n

Pequena nota: evite usar copo de plástico nas máquinas de café de moedas, pois estes são na maioria do tipo 6, e ao servir uma bebida quente em plástico, bem sabemos que estamos a ingerir toxinas. Outra informação sobre este tipo de plástico, usado principalmente em produtos descartáveis, não é reciclado em Portugal.

E quais as consequências das dioxinas para a saúde ambiental? CANCRO no planeta? E o que acontece quando se queima plástico? Libertam-se SUPERDIOXINAS. E isso é bom ou é mau?

Milhares de animais morrem por ano por ingerirem plástico, e porquê? Os nossos oceanos já estão “plastificados”, basta abrir a janelinha do google e pesquisarmos sobre lixo marinho, ilhas de plástico, por exemplo.

3. O Plástico desaparece do Ambiente?

Embora possamos ter a ideia que sim, principalmente quando consultamos os tempos de degradação dos materiais no ambiente, em que por exemplo uma garrafinha de plástico tem como tempo 450 anos, um saco de plástico 10 a 20 anos, a verdade é que as conclusões não são conclusivas.

Vários estudos indicam mesmo que o plástico nunca desaparece do ambiente, apenas se degrada em partículas microscópicas, tornando-se no plástico “invisível”. Uma vez no ambiente libertam, não só dioxinas, substâncias altamente cancerígenas, como também metais pesados. Só sobre este tema teríamos muito e muito para estudar e analisar. Pesquisem sobre os microplásticos.

Para pensar:

  • O plástico mata, por ano,  mais de 1,5 milhões de animais e aves marinhas. Dados que todos os anos aumentam. O Plástico já está na cadeia alimentar de toda a vida, não só de animais marinhos e aves, mas também humana. Devemos estar conscientes, que sim, nós também já comemos plástico, basta pensar que o peixe que chega à nossa mesa já está contaminado.
  • Somos 7 mil milhões no mundo, e estima-se que por cada um de nós existem 700 pedaços de plástico nos nossos mares, e nesta história não há inocentes nem mãos limpas, é preciso estarmos conscientes desta realidade, somos todos, sem excepção, responsáveis.

 4. Reciclar é Solução?

Reciclagem surge como solução para evitar a continua extracção de recursos naturais, e bem, surge também quando se começou a colocar aos mãozinhas na cabeça e a perceber que certos recursos começavam a “esgotar”, e quando se começa a perceber que o “Lixo” produzido pela nossa actividade humana tornou-se num dos maiores problemas ambientais, cujos impactos são hoje desastrosos e até incalculáveis.

Pois, só que no caso da reciclagem do Plástico, a história não é bem assim. Infelizmente, o plástico não tem a mesma história feliz que por exemplo o vidro e o alumínio que são infinitamente recicláveis. Uma garrafa de vidro ou alumínio pode sair e entrar no ciclo de produção um número infinito de vezes sem ser necessário recorrer à fonte natural, uma garrafa de plástico não tem a mesma sorte, se for PET tem mais hipóteses, podendo ir até 3x, se for um saco plástico e com muita sorte, apenas uma, e nem todos são recicláveis, embora sobre esta questão surjam diversos pareceres entre ambientalistas e indústrias produtoras de sacos plásticos.  E lembram-se da família complexa dos plásticos? Pois, nem todos são recicláveis, o que quer dizer, que a extracção de recursos naturais continua sempre a ser feita, e mais do que podemos pensar.

Na nossa ilusão podemos pensar que o acto reciclar é solução, no entanto, é importante que os que já reciclam saibam que ainda é pouco, e que não, não é a solução, pois antes do R, Reciclagem, há o R de Reutilizar, o R de Reduzir e o R de Recusar. Qual a ordem correcta dos R´s afinal? A ordem dos Rs.

Questionando mais ainda …

O que fazer com o Plástico e qual a sua história?

E como é sempre mais fácil aprender a “brincar”, este pequeno vídeo já nos dá informação para questionar, pensar e agir.

E o que devia vir no início, talvez como o primeiro ponto?

De onde vem o plástico afinal?

De recursos naturais não renováveis: Petróleo e Água. E não está a posse do petróleo na origem de tantas guerras no mundo e tanto sofrimento humano?

Há quem evite comprar produtos no “mercado da China”, alegando não querer compactuar com a exploração e escravidão da mão de obra barata e infantil, mas também há quem procure evite evitar plástico pelo mesmo motivo, pois quem nos garante que o petróleo que foi usado para produzir o saquinho que temos na mão não foi a causa de sofrimento de tantos?

A injustiça Social do Plástico

Van Jones nos alerta sobre esta questão  “O lixo plástico atinge primeiro e com mais intensidade pessoas pobres e países pobres, mas todos sofremos as consequências independentemente do sítio onde vivemos ou do dinheiro que ganhamos.”

“(…) a raiz deste problema é a ideia do descartável. Se compreendermos a relação entre o que estamos a fazer ao envenenar e contaminar o planeta e o que fazemos às pessoas pobres, chegamos a uma conclusão muito inquietante, mas também muito útil: Para contaminar o planeta temos de contaminar as pessoas. Mas se criarmos um mundo onde não contaminamos pessoas, então não contaminamos o planeta.

Estamos na fase em que a união da ideia de justiça social à ideia de ecologia, nos permite finalmente ver que elas são, de facto, apenas uma ideia. E essa é a ideia de que não existe nada descartável. Não temos recursos descartáveis. Não temos espécies descartáveis. E também não temos pessoas descartáveis. Não temos um planeta e nem tão-pouco crianças que possamos deitar fora. Tudo é precioso.”

Não podemos nem devemos ser radicais nem fundamentalistas nestas questões, mas todos podemos ser mais conscientes, atentos e em pequenos actos fazer a diferença, pois cada um de nós pode fazer a diferença sim.

Depois de nos questionarmos sobre tudo isso, o que podemos concluir, e como podemos agir? Será que podemos mudar alguns dos nossos hábitos? Como?

1. Recuse e Reduza o consumo de produtos de plástico.

2. Recuse sacos plásticos. Use sacos reutilizáveis. Sabendo mais sobre este assunto : Não existem sacos gratuitos ; sacos da fruta e legumes:  fazem mesmo falta?

3. Recuse copos de plástico. Use uma caneca no trabalho e nas festas.

4. Recuse água engarrafada. Use jarros filtros de água em casa que lhe permitem usar a água da rede pública, use garrafas de água reutilizáveis, de preferência de outro material que não plástico. Sabendo mais: água engarrafada: um desperdício de dinheiro, um atentado ambientalletrinhas pequeninas da água engarrafada ; Água engarrafada: A grande mentira da indústria

 

5. Recuse e reduza o consumo de produtos embalados em plástico.

6. Dê preferência a produtos embalados em vidro, que é infinitamente reciclado.

7. Recuse produtos de limpeza embalados em plástico, e altamente tóxicos para o ambiente, e faça os seus em casa, de forma mais sustentável, económica, rentável e amiga do ambiente. Veja algumas dicas nos links:

Faça você mesmo sabão para lavar roupa

Faça você mesmo Detergente Caseiro

Faça você mesmo seus produtos de limpeza com o que tem na cozinha

6. Recuse produtos descartáveis, a Natureza não é descartável, então porque a usamos como tal?

7. A lista continua, que tal cada um de nós construir a sua? Fica lançado o desafio.

 

Sem Conhecimento não há Consciência,

Sem Consciência não há Acção,

Sem Acção não há Mudança!

E sem Mudança o que acontecerá ?

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Activismo ambiental, Divulgação, Lixo marinho, Resíduos. ligação permanente.

Uma resposta a Sejamos Curiosos: Alguns Mitos e Verdades sobre o Plástico

  1. Pingback: A Natureza e o Descartável | TaraRecuperavel.org: para reduzir a poluição causada pelas garrafas e latas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s