História

Após anos de acções voluntárias em que recolhi lixo espalhado pela Natureza e tentativas de sensibilização para a importância da reciclagem, cheguei à conclusão de que era necessário tomar uma acção de fundo que mudasse comportamentos.

É impossível manter a natureza limpa quando é maior a quantidade de lixo voluntariamente espalhado, do que voluntariamente limpo. É impossível mudar comportamentos de pessoas para quem a preservação ambiental não é um valor, apenas através de acções pedagógicas.

Ao visitar a Alemanha em Outubro de 2011, verifiquei que a maioria das embalagens das bebidas tinha tara recuperável. O resultado era que as ruas estavam limpas, sem no entanto serem visíveis equipas de limpeza.

Comecei então a reparar nos tipos de lixo que encontrava espalhado pelas cidades e principalmente pelas praias de Portugal. Rapidamente, concluí que a grande maioria eram embalagens de bebidas. E a solução para o lixo pareceu-me óbvia. Um verdadeiro ovo de Colombo. Se as embalagens tivessem valor monetário não seriam atiradas para o chão. Eu nunca vi ninguém atirar dinheiro para o chão. Demorei meses a analisar a questão e a debatê-la.

Até que decidi tomar acção e escrevi o primeiro esboço do manifesto Tara Recuperável. No dia 16 de Maio de 2012 publiquei este manifesto na Web e iniciei o movimento cívico Tara Recuperável.

Eu comecei este movimento sozinho, sem apoio, sem financiamento, sem contactos. Apenas convicto de que esta acção iria contribuir para resolver um problema que nos afecta e afectará as gerações futuras.

Após apenas 1 mês, o grupo do movimento no Facebook já contava com mais de 1300 membros.

Em 2015, a proposta solução Tara Recuperável foi sugerida a todos os partidos políticos portugueses.

O partido ecologista PAN adoptou esta solução no seu programa eleitoral das eleições Legislativas de 2015: medida 51 – criar uma tara recuperável para latas e garrafas de qualquer material.

No dia 15 de junho de 2018, o Projecto-Lei n.º 869/3ª/XIII do PAN que visa a implementação de um sistema de incentivo e depósito de embalagens de bebidas de plástico, vidro e alumínio foi aprovado na generalidade pelo Parlamento da República Portuguesa.

A história continua…

15/06/2012
Daniel Gomes

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s